Aquarela do Brasil

113

<<Imagem de: Paul Wang>>

.

.

Luciano Pires

.

.

AQUARELA DO BRASIL

.

.

“Brasil, meu Brasil brasileiro
Meu mulato izoneiro, vou cantar-te nos meus versos…”

Caiu outro avião no Brasil. Eu achava que nunca mais veria aquelas cenas de corpos ensacados na calçada. Ou os familiares desesperados nos aeroportos. Ou a expressão aparvalhada, incrédula e impotente dos funcionários da companhia aérea, incapazes de dizer algo além de um número 0800 impossível de conectar… É quando nos sentimos um nada.

“O Brasil, samba que dá, bamboleio que faz gingar
O Brasil do meu amor, terra de Nosso Senhor
Brasil, pra mim, pra mim, pra mim…”

Brasil pra mim. O meu Brasil. Ah, mas o meu Brasil não é esse, não. Meu Brasil é outro, diferente. Meu Brasil respeita os brasileiros. Meu Brasil sua a camisa trabalhando. Meu Brasil leva as coisas a sério. Meu Brasil não foge à luta. Meu Brasil não abandona os brasileiros à sorte.

“Abre a cortina do passado
Tira a mãe preta do cerrado
Bota o rei Congo no congado
Deixa cantar de novo o trovador
A merencória luz da lua
Toda a canção do meu amor…”

Meu Brasil não é feito de políticos, empresários, técnicos ou catedráticos. Meu Brasil é feito de homens. Tem honra. Assume as responsabilidades.

“Quero ver essa dona caminhando
Pelos salões, arrastando o seu vestido rendado
Brasil, pra mim, pra mim, pra mim…”

Pra mim dói, viu? Dói aquela mãe desfalecida no aeroporto, que podia ser a minha. Aquele filho que podia ser o seu. Aquele amigo que podia ser nosso. A tragédia que podia ser evitada… E dói o espetáculo que vem aí… Já vimos esse filme: a culpa não é de ninguém. Como desta vez não temos gringos pra culpar, será do piloto que morreu…

“Brasil, terra boa e gostosa
Da morena senhora de olhar indiferente
O Brasil, samba que dá, bamboleio que faz gingar
O Brasil do meu amor, terra de Nosso Senhor
Brasil, pra mim, pra mim, pra mim…”

Afinal, o Brasil é o país onde a responsabilidade deixou de existir. Ninguém mais tem culpa de coisa alguma. A culpa é sempre do sistema. É da economia. É da meteorologia. É da física. É da matemática. De uma entidade intangível. Jamais dos homens. Pelo menos não dos que teriam a responsabilidade. Mas seriam esses, homens?

“Ô, esse coqueiro que dá coco
Onde amarro a minha rede nas noites claras de luar…”

A aquarela desse Brasil tem uma cor só: vermelho. Não o vermelho do partido. Nem o vermelho da vergonha de quem deveria, poderia e evitaria a tragédia. Mas o vermelho do sangue das vítimas do acidente, da bala perdida, do assassino impiedoso, do hospital desaparelhado, da torcida enfurecida.

“Ah, ouve essas fontes murmurantes
Onde eu mato a minha sede
E onde a lua vem brincar…”

Nunca antes neste país, como na propaganda, tudo o que ouvimos terminou em “ia”: poderia, seria, acharia, mandaria, assumiria, evitaria, contribuiria… Ia, ia, ia… Brasil, essa é tua sina. Tudo aqui “ia”. É o Brasil do Futuro do Pretérito do Indicativo, onde a única certeza é que a incompetência, desonestidade e deboche que terminam em tragédias não se conjugam com “ia”. Se conjugam com “ão”.

“Ah, esse Brasil lindo e trigueiro
É o meu Brasil brasileiro
Terra de samba e pandeiro, Brasil, pra mim, pra mim…
…Brasil!”

.

.

         Trechos da Música: “Aquarela do Brasil”, composição de Ary Barroso

        O podcast da semana trata de “mentiras simbólicas”, que é como os políticos definem a matéria-prima com a qual trabalham. Mas não só os políticos. Também os marqueteiros, que transformam arte em comércio. Um texto de Rubens Zaidan examina a questão do conteúdo da mídia, enquanto a trilha sonora explora Juca Chaves com suas modinhas críticas e deliciosas. Yo Yo Ma também comparece. E no final do programa um presente: Clio, uma cantora brasileira que você provavelmente não conhece, interpretando “Inútil Paisagem” de Tom Jobim, de um jeito que você vai adorar.

          Para ouvir o podcast acesse o link: Portal Café Brasil – Mentiras Simbólicas 

      Este artigo é de autoria de Luciano Pires (www.lucianopires.com.br) e está liberado para utilização em qualquer meio, contanto que seja citado o autor e não haja alteração em seu conteúdo.

.

.

Por: Luciano Pires

00SELO

AQUARELA DO BRASIL
Notícia publicada em: Friday, July 20 @ 10:56:36 BRT
Tópico: Trabalhos

Esta notícia é proveniente do Portal Aeternus
www.aetern.us

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *