Smallcat em foto de Rafael Falcão

Autora:

Jansy B S Mello

Gato Adormecido

Ontem minha casa e a rua ficaram silenciosas desde o amanhecer, nem caminhantes nem carros se moviam. Não se ouvia até mesmo o canto dos pássaros.

No final da tarde meu cãozinho, isolado no canil, entrou em pânico. Acabei deixando-o ficar dentro de casa como em dia de tempestade com relâmpago.

Os gatos não se alteraram. Passei bons momentos observando-os aconchegados nas almofadas e lembrei dos inúmeros quadros nos quais eles davam o toque certo de domesticidade serena.

Se o isolamento da pandemia pareceu-me às vezes deformar a minha sensação de pertencimento e de família, o gato adormecido me garantiu uma continuidade secular, apresentando um trecho da paisagem do mundo.

Graças a ele as bordas do hoje, do ontem, e do amanhã se desfizeram e sua imagem se transformou num túnel do tempo no qual um gato se tornava uma sucessão de mil gatos.

Já o cachorrinho, tão próximo desse imemorial da força aborígene que vislumbrei no felino, se fragmentou em saltos e latidos, precisando de um abraço…

Autora: Jansy B S Mello