Ordálio?

Uma amiga me escreveu um textinho que, num primeiro momento, fez muito sentido para mim mas, logo em seguida, se dissolveu num susto.

Disse ela, num comentário informal que traduzo aqui:
“Uma vez que as verdades partilhadas vão embora, a justiça despenca pela janela. Uma sociedade que não entra em acordo a respeito dos fatos é incapaz de produzir leis e, menos ainda, de garanti-las.”

O que desfez o valor que inicialmente lhes atribuí, quando nelas encontrei uma aparente descrição do nosso caos político e social, foi a vinculação da justiça aos fatos partilhados por uma comunidade, sem mais detalhamentos.

Fakenews, propaganda e mesmo a citação de versos ou versículos soltos geram um acordo sobre o que deve contar como fatos. Infelizmente, sem uma realidade externa estável (?!) que seja comum a todos e um referencial ainda mais exterior, acabaremos chafurdando na corrupção dos achismos em vez de caminharmos em busca de ordem e justiça.

Por que a frase original me agradou em primeiro lugar? Há a minha confiança na pessoa que a escreveu. Principalmente, há em mim a necessidade desesperada de encontrar um grupo social que partilhe os mesmos fatos e propostas comigo, que partilhe as mesmas verdades.

Os fatos e as verdades vem sumindo da minha estrela como se fossem ejetados por uma força centrífuga.

A famosa frase de Arquimedes, “Dê-me uma alavanca e um ponto de apoio que moverei o mundo”, demonstra o poder das alavancas. No entanto, aquele seu ponto de apoio parece estar subentendido… Como se existisse um para deslocar o mundo.

Autora: Jansy B S Mello