Foto: Tenda de obras no caminho do Pão de Açúcar. Praia Vermelha, RJ. Acervo Pessoal – Jansy Mello

Autora:

Jansy B S Mello

Inconsciente Dinâmico

Do inconsciente dinâmico na base de toda atividade psíquica, em Freud, aos assim descritos opostos “estados despertos da consciência” e “estados alterados da consciência” há uma distância enorme.

Mesmo sem ter lido o artigo sobre tais estudos no campo das neurociências, mando um link um sumário para deixar registrados como uma referência inicial.

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3779833/

Para começar a desenredar estas teorias agora, vou recorrer aos livrinhos que, por sorte, ganhava semanalmente. Eles traziam parábolas e contos de fadas numa coleção das Edições Melhoramentos.

Uma das minhas histórias favoritas era a das doze princesas que, depois de acordarem notavam que seus sapatos estavam gastos, como se elas tivessem passado a noite caminhando ou bailando. Dois mundos “reais” emergiam dessa narrativa: o da vida cotidiana no palácio com seus pais e o da vida onírica na qual visitavam espaços encantados.

Podemos ler sobre as aventuras noturnas das princesas tomando-as como se tratassem de uma simples descrição dos sonhos que as doze compartilhavam de modo telepático, ou então, como acessos de sonambulismo que elas vivenciavam em comum, desfazendo até as solas dos seus sapatos. Não era assim que eu o entendia. Eu intuia dois estados: o da consciência desperta e o da consciência onírica ou seja, acreditava que era possível viver duas vidas ao mesmo tempo.

Na história das princesas havia uma primeira informação que combinava o que acontecia quando elas iam dormir era hora do seu despertar. Este dado vinha por meio de algo efetivo e não-sonhado, ou seja, através dos sapatinhos estragados. Estes eram a prova de um evento vivido.

Foi preciso ir abandonando a infância e, depois, estudar Freud para deixar de lado a fantasiosa duplicidade e então assumir ter apenas um corpo, uma vida e um mundo mental que entretecia todas as minhas experiências, sejam as da vida desperta, seja as dos sonhos, com a realidade do senso-comum e a presença física no mundo.

Tudo parece bem óbvio. Mas foi necessário haver a borração do tempo, durante a pandemia atual, para eu retornar ao mistério daquela duplicação infantil. Nem Freud nem as neurociências me atendem nesse aspecto.

Em outro momento trarei mais um conto de fadas. Este veio de outro livro com as histórias dos irmãos Grimm.

Autora: Jansy B S Mello